quinta-feira, abril 26, 2007

300 - O Filme

Esta semana no 9ª fica marcada por uma homenagem a “300”, de Frank Miller e Lynn Varley. Em primeiro lugar a BD, depois uma capa, em seguida uma imagem e por fim, uma opinião sobre a adaptação à grande tela, feita pelo realizador Zack Snyder. É sobre esta última que me vou debruçar agora.
A minha expectativa neste filme era imensa, talvez das maiores que alguma vez coloquei em algo deste género. Muitos tinham sido os trailers e imagens que há muito circulavam pela net, bem como as mais variadas críticas, umas mais positivas, outras bastante más. Como tenho de ver para poder opinar sobre algo, nada como assistir à película assim que houve possibilidade. Só posso dizer que fiquei colado à cadeira do primeiro ao último minuto. As primeiras cenas estão muito bem conseguidas, mostrando-nos a realidade daquele povo antigo, desde o primeiro momento de vida de qualquer espartano. Só os mais fortes eram escolhidos. Não havia lugar para os fracos. Logo em seguida, a cena de entrada dos mensageiros persas em Esparta, qual cavalgada épica em movimento lento, verdadeiro começo desta jornada gráfica que recorreu às técnicas mais recentes para dar o devido tratamento às imagens, que são o essencial deste projecto bem-sucedido.
A partir daqui o enredo desenrola-se tal e qual como na Banda Desenhada, com extremo cuidado e fidelidade aos diálogos, posicionamento dos personagens no ecrã tendo em conta as pranchas de BD e toda a espécie de cenários e localizações. Obviamente que existem variadas adaptações, quer a nível das falas e das personagens, com particular destaque para Gorgo (Lena Headey), rainha de Esparta, que assume um papel de destaque durante o desenrolar do enredo, principalmente perto do final.
Em resumo, é graficamente que o filme ganha toda a sua força. Como referi, a fidelidade à obra original é notável (F. Miller é produtor executivo), não só no que diz respeito ao argumento como também na arte, aproximando-se muito às cores de L. Varley.
A escolha dos actores foi interessante, deixando de fora estrelas conhecidas, dando espaço para que outros talentos surgissem sem o receio de serem ofuscados. Quem saiu a ganhar foram os próprios actores e, mais tarde, todos aqueles que puderam assistir ao filme. Gerard Butler não podia ser melhor Leónidas, com um “rugido longo e forte, e cheio de riso” lembrando a linhagem espartana associada ao próprio Héracles.

Marcantes são todas as cenas de batalha, quer em quantidade quer em qualidade, fazendo lembrar autênticas coreografias. A determinada altura assistimos à movimentação de Stelios (Michael Fassbender) e do filho do capitão, que juntos parecem dançar comandados pelas suas armas, chacinando qualquer inimigo que se aproxime das suas lâminas.
Xerxes (Rodrigo Santoro) tem a presença imponente que se esperava de tal personagem, sendo a sua voz profunda e extremamente grave. O detalhe da sua caracterização é fantástico, bem como o seu trono dourado.
Muito fica para contar e descrever, pois a película, enquanto adaptação de BD à 7ª Arte, é a melhor que vi até hoje, disso não tenho dúvida alguma. Apesar de existirem críticas bastante negativas sobre o objecto em análise há uma coisa que deve ser reconhecida, em obra gráfica adaptada nunca se fez nada tão bom, quer gostem ou não. Se dúvidas houver, vão ao cinema mais perto, verifiquem por vocês mesmos e sucumbam ao poder das imagens, à força das cores e ao impacto da acção e dos movimentos de batalha. Comparem o livro com o filme (na net existe muita informação a esse propósito, basta pesquisar), coloquem lado a lado os dois e retirem daí as vossas conclusões.
O final, esse já todos o sabemos, como nos conta a História. História essa, que acabou por dar razão ao Rei Leónidas e aos seus bravos 300. Com Miller em 1998 e com Snyder em 2007, voltámos a falar dos feitos deste punhado de homens que lutaram pelos seus ideias e convicções. Segundo eles, pela liberdade. E que façanha foi…

Em jeito de boato e para terminar, parece que um segundo filme já está em discussão, com o filho de Leónidas à frente dos espartanos. Investiguem.


Mauro Bex : maurobindo

3 comentários:

celtic-warrior disse...

Genial, é o que se pode dizer. Quando fui ao cinema aquilo foi o delírio... Mas, 300 2? o_O Isso é muita fruta, até pq o filho do Leónidas seria no mínimo idêntico ao pai, não?

maurobindo disse...

Epá, são rumores que por aí circulam. Sabes que a malta de Hollywood faz tudo, desde que lhes dê lucro. Com o sucesso de "300" não me admiro que o 2º filme saia daqui a pouco. Mas procura na net que deves encontrar algo a propósito.
Mas é um filmaço!

Rafael [bentoroa] disse...

issae, 600 - o filme
aokwepoakwpeaw
ou melhor, 10000 neh, pq num são só 600...
ta eu to brisando akee =P