terça-feira, junho 27, 2006

A Saga dos Cavaleiros Dragões #1: Jaina

De volta ao activo depois de uma semana e tal de bem bom, como o vulgo chama de férias, trago até ao 9ª um daqueles casos onde expectativa a mais, por vezes nos traz desilusões. Aproveitei para colocar alguma leitura em dia e decidi fazer-me acompanhar por um livro de BD que tinha comprado há cerca de 2 meses, mais coisa menos coisa, intitulado "La Geste des Chevaliers Dragons" - em português como vem escrito no título do post. Francesismos à parte o certo é que me agarrei ao livro cheio de entusiasmo. Em primeiro lugar, pelos dragões. Qualquer coisa com dragões no enredo, merece a máxima atenção da minha pessoa. São criaturas fenomenais, com inteligência, conhecimento e sabedoria, dignas de fazer inveja à grande maioria dos mortais (mas a estória aqui é outra). Depois, porque que me "cheirou" que o título tinha possibilidades de ter algum potencial, assim como se fosse qualquer coisa do género épico ou fantástico, carregado de mística medieval negra. Desculpem o termo, mas lixei-me! Para mim, as melhores linhas de texto, onde o argumento me parece ter conseguido atingir o seu propósito, estão na 1ª e última páginas. Respectivamente, aqui abre-se e conclui-se um ciclo (para saber mais, recomendo ler o livro). O enredo prometeu no ínicio, mas foi perdendo o seu encanto com o desenrolar da saga. Basicamente esta é uma aventura de 2 jovens virgens, que devido à ameaça de um dragão maldito, partem numa jornada de ameaça de morte constante, enfrentando monstros (neste caso habitantes de aldeias, pessoas já transformadas pela força e poder de um manto de sombra criado pelo dragão [aura], que altera tudo o que toca), tendo como auxílio uma orda de monges, que estranhamente parecem ter algo a ver com tudo o que se passa nesta região do mundo, pois a maldição parece não afectar os residentes da sua fortaleza. Muito importante, é o facto destas Cavaleiras, por não terem sido desonradas, por manterem a sua pureza (são virgens), não são possíveis de serem atingidas pela maldição e, mais impotante ainda, podem aproximar-se do dragão sem serem detectadas por este; todas as tentativas feitas por humanos para derrotar a besta, provaram ser infrutíferas, pois este detecta a presença humana quando esta ando por perto. O final deste primeiro tomo causou-me alguma surpresa, querendo com isto dizer que não estava à espera do tipo de desfecho atingido; foi uma boa lufada de ar fresco.


Quanto ao desenho nada tenho a apontar, estando o português emigrado em França, Varanda (que desenha apenas este 1ª número da série), à altura do desafio; aqui cumpriu-se com o pretendido. Quanto à utilização da cor, poderia ter sido um pouco mais trabalhada. As cores ténues e suaves ajudam a acentuar os cenários e as paisagens retratadas, mas falta um pouco de brilho. A impressão também não ajuda. Este é dos poucos livros da Devir, o único que tive nas mãos, que foram editados em capa dura. Normalmente neste tipo de edições a impressão deveria ser melhor. Não é o caso. Por vezes as páginas estão meio desfocadas, dando quase vontade de colocar uns óculos 3D na cara para conseguir ler e apreciar o conteúdo. Por vezes faltam letras às palavras; parece que foram comidas. Quanto à tradução, aí tinha de ler o original para fazer um juízo concreto e honesto. A encadernação, esta sim, está 5 estrelas.

Dito tudo isto, ainda assim recomendo uma leitura. Esta faz-se de forma breve, pois o livro não tem muitas páginas. Pena só existir em Portugal uma edição desta série, que em França já vai no número #4. Mas nada como encomendar os originais. Para finalizar deixo algumas fotos do meu exemplar e, a capa francesa original, que difere da nossa num pequeno pormenor. Descubra as diferenças! Boas leituras!





Disponível em Portugal na Fnac. O meu exemplar foi adquirido na BdMania. E provavelmente, disponível também na Devir. Orinal em francês, na amazon.fr. Não esquecer que o livro já foi editado em 2001, se não me falha a memória, mas com jeitinho tudo se consegue.


Mauro Bex : maurobindo

3 comentários:

Anónimo disse...

Boa analise,mas eu acho que a devir não editar mis nada dessa serie,como de muitos outros,comics ou franco-belga editados por eles.

Abracos
Grimlock

maurobindo disse...

É uma pena. Por vezes as séries têm potencialidades para vingar, mas parece que a "aura" paira por aí. As editoras deviam, sempre que possível, apostar numa determinada série levando-a até ao fim. Quero com isto dizer que se se faz uma aposta num primeiro número, então seria para ir até ao fim com essa série. Existem casos de editoras que fazem isso em Portugal. Se algum título não corresponde 100% às espectativas, há sempre outros que conseguem cobrir o prejuízo, criando possibilidades para que a série anvance. Estratégias...

Anónimo disse...

No caso da devir é a falta dela,depois queixam-se das fnacs e comic shpos que vemdem no original,ja para não falar do consumidor "queimado",que ou muda de hobby ou passa a comprar apenas bds Importadas,de franca ou usa.

Abracos
Grimlock

c