domingo, novembro 13, 2011

Holy Terror = Holy Crap

Não tenho muito a dizer sobre o novo livro de Frank Miller. Do que li e reli, tudo me parece unânime. As fontes são fiáveis, toda a gente as conhece. Parece-me que o senhor anda zangado e que ainda não se resolveu, como tantos outros seus compatriotas. O resultado é um livro inútil, que no inicio parecia ter pernas para andar, por ser um livro sobre o Batman e os seus inimigos, não sobre terroristas e estadunidenses.
Enfim, fica uma crítica do conceituado Newsarama, que casca forte numa mente outrora brilhante, mas que anda por meandros obscuros. Ora leiam:

"Holy Terror is a mean and ugly book. It's a cartoonist lashing out at an easy and broad target without seemingly understanding the target. The book doesn't look at the villains in any way or explore the differences between Muslims and terrorists. It's not even concerned about defining the heroes and villains in any terms other than "right" and "wrong." Holy Terror is a book about anger and pain that is blind to anything other than revenge. There's no attempt to define the villains beyond the fact that they don't look Iike you and me. Holy Terror isn't a book that tries to be real. It just wants to lash out, thinking that that is the only response to the attacks of 10 years ago."
Retirado do site Newsarama, onde podem ler na totalidade a notícia.

O Ain´t it cool news ainda é menos bondoso:
"Arrogant. Arrogant god-damn bastard. Sloppy, arrogant work by an arrogant bastard. Frank Miller. Always building himself up bigger, taller, like some mad gaggle of robots. Always climbing. Now falling. Enjoys repetition and small sentences. Originally a proposed Batman book, this is now...something else. Instead of Batman and Catwoman and Gotham City: The Fixer and Natalie Stack and god-damn Empire City. Cold. Wet. Noisy. Haughty. But all I read is failed Batman, failed Catwoman, Failed Gotham City."
O resto aqui.

Fico a aguardar um Frank Miller com melhores dias, quer seja na 9ª ou 7ª Arte.


Mauro Bex : maurobindo

7 comentários:

Miguel Antunes disse...

Boas maurobindo.

Eu gosto muito do trabalho do Frank Miller dos anos 80 e meados de 90, mas parece-me que se lhe pode aplicar a expressão "chão que deu uvas". Ainda não li este Holy Terror, mas parece continuar a mediocridade do trabalho mais recente dele. Por anda o Miller criativo e interessante?

tadeu disse...

ola mauro.
acreditas que se ele mantivesse a idéia original, uma história do batman, teria melhor resultado ou como o ain´t cool news refere, é sem o ser e fá-lo mau.

abraço!

Optimus Prime disse...

A DC escapou por pouco apesar de ser o tpb mais vendido do mes.

Nayara Borato disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
maurobindo disse...

Olá Miguel, concordo plenamente. Espero mesmo que para a próxima todos os apreciadores do outrora brilhante F. Miller, tenham mais sorte e que a criatividade o inspire novamente.

Tadeu, mais valia mesmo que esta história fosse sobre o Batman, talvez não se perdesse tudo.

Optimus Prime, quem se deve estar a rir é o Miller, com os dólares a entrarem-lhe no bolso. Tudo o que é falado desta maneira, vende quem nem ginjas.

Loot disse...

tenho-o visto à venda em todo o lado. Mas ainda não lhe prestei muita atenção e desconhecia que tinha tão má fama.

Já não leio Miller há imenso tempo por acaso. A última lembrança que tenho dele é muito negativa mas é por causa do filme Spirit :P

Porque tal como a maioria adoro os seus Batman e Sin City's

maurobindo disse...

Eu há uns dias abri-o na Fnac, para comprovar os ditos. E achei o livro ainda pior! Começa logo com uma frase falaciosa nas primeiras páginas. E nas primeiras 20 páginas, diálogo zero, muita confusão cromática... quando as personagens lá decidem dizer alguma coisa, pasme-se, não dizem nada de nada. Enfim, muito pobre, de mau gosto, um livro que mais valia ter ficado pelo projecto.

Duvido que voltemos a ter um Frank Miller 5 estrelas. Cheira-me que o senhor foi mais um que optou por escolher o caminho fácil do "agora faço o que bem me apetece, pois tenho estatuto para tal". Que pena...