quarta-feira, janeiro 16, 2008

Jornal "Público" lança nova colecção de Banda Desenhada


Se existe jornal neste país que tem dedicado tempo e vontade em divulgar Banda Desenhada em Portugal, esse jornal é o Público.
A nova Colecção "Grandes Autores de BD", dá destaque à BD europeia, destacando nomes como Bilal, Van Hamme, Guarnido, Canales, Goscinny, Miguelanxo Prado, só para citar uma meia dúzia deles. A colecção comporta 10 livros, ao preço de 6,90€, tendo sido iniciada hoje, dia 16 de Janeiro; termina a 19 de Março.
Ora aqui está mais uma boa oportunidade para ler boa BD, a um preço muito convidativo.


Mauro Bex : maurobindo

6 comentários:

_Loot_ disse...

Ontem não consegui arranjar cá pelo Cacém.

Nunca li mas lembro-me dos desenhos animados do Iznougoud.

Estive a ver a colecção que vai sair no público e parece-me mais uma excelente iniciativa por parte do Jornal.

Abraço

_Loot_ disse...

Felizmente ainda havia em Lisboa já tenho o "Thorgal" cá em casa :D

Anónimo disse...

E alguma editora nacional ou estrangeira activa ou inativa publicita realmente alguma coisa,as iniciativas com jornais não contam.
Não me parece. Eles so compram os direitos e limitam-se a enviar essas bds para as livrarias ou bancas,muitas vezes sem que os leitores saibam de nada como no caso da Elektra da BDmania,de preferencia no formato mais luxuoso possivel apenas para ganharem mais uns $$$$.
1a-regra de qualquer negocio bem sucedido para ganhar $$$$,é preciso gastar $$$$$.
So para concluir nenhuma editora trabalha em prol do mercado e da criação dos novos leitores.
Vou comprar alguns mas não vou começar esta semana. :)

Grimlock

maurobindo disse...

Eu nem sei se compre algum. Não gosto de ter colecções incompletas. Mas alguns deles valem muito a pena, apesar de já ter o Blacksad e um do Bilal.

celtic-warrior disse...

Já comprei e a colecção convenceu-me. Ao início não estava muito entusiasmado, mas depois de comprar o primeiro volume mudei de ideias. Só tenho pena que o volume do Bilal não traga a trilogia Nikopol completa (ao menos dignavam-se a pôr mais um volume, não custava muito).

maurobindo disse...

Isso de deixarem as coisas a meio é um bocado fatela. Ou editam com certeza e publicam a história completa ou deviam estar sossegados. Ele há opções de edição que me espantam todos os dias.

Pode ser que ainda encontre num qualquer quiosque o primeiro número.