terça-feira, agosto 12, 2014

O que ando a ler em 2014 #2 - "Naruto"



Naruto.
Uzumaki Naruto, o maior ninja wannabe, insuportável, órfão, que se pudesse só comia ramen. Parece coisa de putos, talvez o seja, mas o personagem criado por Masashi Kishimoto é viciante! Este era outro daqueles livros que estava na estante a ganhar pó desde 2008, e um dia, POP! Como tinha só os 2 primeiros, devorei-os um bocado à pressa, e apressei-me a encomendar o terceiro. Assim que chegou, lido... depois pus um travão no Naruto, porque já vai em 70 livros e não se pode ir tão à bruta.

Não vou falar sobre a trama, os vários tipos de Manga que existem, sobre as personagens que são muitas só nos 3 primeiros números, mas sim generalizar um pouco aquilo que para mim este Manga representa. Em primeiro lugar (nota importante) nunca fui muito de ler Manga, se bem me lembro a única coisa que tinha lido até então foi o "Nightmare Before Christmas" do Tim Burton, adaptado a este estilo japonês. Portanto, em geral não percebo nada disto (Manga)!
(Vou abrir aqui um pequeno parêntesis para um elogio à personagem que mais me fascina, Kakashi. Fenomenal! O tipo anda com um olho vendado o tempo todo, é um sarcástico de primeira e a sua metodologia de ensino é qualquer coisa. Ok, agora já podemos avançar.)
Por vezes é bom ler algo "novo" mas que há muito tempo deixou de ser novidade. Sempre gostei de ler as coisas depois das modas passarem e na música faço muito isto também. É-me saudável, não consigo explicar. Por isto, Naruto foi uma descoberta quase total para mim e devorei as páginas da direita para a esquerda a bom ritmo. Adoro BD a preto e branco (característica do Manga), ajuda-nos a puxar mais pela imaginação, a criar na nossa cabeça uma paleta de cores original e a deixar muitos espaços como estão, a duas cores.
Nestes 3 primeiros volumes (daqui para a frente comprarei as compilações de 3 números em 1) o ritmo é frenético, o grupo está sempre em movimento, passa pelas mais variadas paisagens rurais e urbanos, mas com maior tendência para os grandes momentos em Natureza aberta. Segundo consta nos livros, o autor cresceu num meio mais rural e desenhava muito a Natureza envolvente e isso nota-se muito no cuidado dado ao pormenor nos cenários bucólicos.
Depois, é pancadaria com fartura, ou não fosse esta uma história de ninjas.

E é isto. Se ainda não experimentaram, ou se um dia quiserem "provar" qualquer coisa que vos é fora do habitual, ataquem o Naruto. Fica a dica.


Boas leituras!

2 comentários:

Anónimo disse...

achei legal o wolverine beijando uma gata. Todo mundo andava dizendo que ele era gay.

Mauro ZiBex disse...

Até que ia achar piada ver o Wolverine gay :)
No header ele está a beijar a Jean Grey, uma paixão antiga...