sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Annihilation (parte1)

Enquanto muita gente anda perdida (eu incluído) na maldita Civil War, outro evento mais interessante vai-se desenvolvendo, estando muito próximo do seu término. Falo mais concretamente de Annihilation, que a meu ver, é bastante superior à Civil War (CW). A Marvel apostou forte em CW, fê-lo um dos eventos da sua história e todos os leitores habituais da casa das ideias foram atrás da tamanha expectativa criada à volta deste acontecimento. Novamente a história dá-nos razão. Expectativas a mais costumam sair furadas e foi o que sucedeu. Enquanto isso, Annihilation ia ganhando forma, consistência, qualidade e pouco interesse (comparando com CW). Que bom que assim é. Apenas comparei estes dois eventos por acompanhá-los, tendo largado temporariamente CW ao fim de poucos números e, contrariamente, ter esperado ansiosamente por cada título de Annihilation, aguardando o final de cada mês para dedicar o meu tempo à sua leitura. Só queria que não terminasse. Mas tudo tem o seu fim e Annihilation não é excepção. Avançando, o evento em análise pode ser dividido em duas fases, a primeira das quais é hoje abordada neste blogue. A fase inicial retrata o começo da onda de destruição que rompeu da zona negativa até ao restante Universo que conhecemos (o Universo da Marvel), aniquilando tudo à sua passagem. Annihilus tem um sonho de conquista (qual Napoleão moderno) que passa por absorver toda a energia que advém de tanta destruição, tornando-o no ser mais poderoso alguma vez visto (sim, a ambição é tanta que o próprio Galactus vai ver a sua vida andar para trás). Annihilus, escusado será dizer, é o mau da fita. Esta onda de destruição causa o seu primeiro cataclismo no planeta Xandar, morada da força de paz universal conhecida como Nova Corps, incinerando-o (quase) na sua totalidade. Existe sempre alguém que sobrevive a tais catástrofes e neste caso os sortudos são Nova, Drax e Camy. É neste momento que o enredo começa a ganhar forma. A Marvel aproveita quatro minisséries para dar corpo ao acontecimento, entrelaçando as vidas de Silver Surfer, Super Skrull, Nova e Ronan, dando desta forma um toque bem interessante, criativo e nada confuso (atente-se ao oposto em CW, pela quantidade de gente que o evento implica) à estória, enriquecendo-a com pormenores únicos e intrínsecos a cada uma das personagens, dando consistência ao enredo e a todo o desenvolvimento que daí advém. Não tenho como propósito dissertar longamente sobre cada um destes famosos, pois existe muita informação a registar. O essencial a manter é o real interesse que Annihilation tem, perceber que todos os envolvidos têm um papel fundamental nos acontecimentos, e que, apesar das diferenças evidentes entre cada uma das personagens principais, todas as suas estórias convergem para um único sentido, o de acabar com esta onda de devastação que ameaça exterminar mundos e raças. Não é exagerado, é apenas a realidade desta série. Curioso, é constatar que ao longo dos 12 números iniciais me surpreendi inúmeras vezes (muitas mesmo) com as voltas que a narrativa ia dando. Penso ser um bom sinal da escolha que foi feita, no que diz respeito aos membros das equipas criativas. Apesar das diferenças visíveis entre figuras principais, a exploração das suas emoções, os nervos à flor da pele, as opções tomadas e acções efectuadas vincam muito bem a personalidade de cada um dos intervenientes. É este toque pessoal que figura em Annihilation, acrescentando valor à sua criação. Como nota de rodapé, fica o registo de que todas as capas de Annihilation foram desenhadas por Gabrielle Dell´Otto. É simplesmente o melhor conjunto de capas que vi até ao momento (chamem-me o que quiserem). Simplesmente fabulosas. Quanto à ponte que Annihilation tem com Civil War, não nos esqueçamos da altura em que tudo isto se gera e acontece. Enquanto na Terra reina o caos e fervilha acção, o Universo não está adormecido. Uma desgraça nunca vem só.
Boas leituras!


Não dê erros, verifique os seus textos no flip online
Mauro Bex : maurobindo

4 comentários:

Anónimo disse...

Boa analise,sinto-me tentado a comprar.

Abracos
Grimlock

maurobindo disse...

Obrigado Grimlock.
É sempre bom ter os comentários de volta depois de algum tempo sem "postar" nada.
Se gostas do universo da Marvel e do tipo de enredo que descrevi, sem dúvida que te aconselho a leres. Eu gostei mais de "Annihilation" do que estou a gostar de ler a "Civil War". Ainda por cima esta série termina este mês...
Apressa-te!

Anónimo disse...

Sim,mas depois vem ai os tpbs e talvez a panini brasil colque nas bancas de Portugal a mini que esta a sair no Brasil. :)

Abracos
Grimlock

maurobindo disse...

Pode ser que tenhas sorte. Entretanto, a Marvel já deu continuidade ao evento: "ANNIHILATION: CONQUEST"; terá início no próximo verão. Mais tarde falarei sobre isso aqui e sobre outros assuntos relacionados que estão bem fresquinhos.